A “host family” e o João

Ser bem recebido e sentir-se adaptado na casa onde irá permanecer durante a estada na Nova Zelândia é básico para que o estudante tenha sucesso na sua experiência . Há uma detalhada troca de informações envolvendo a escola, o agente, a familia daqui e a familia de lá.  Com o Felipe e o João não foi diferente.   O Felipe teve uma alteração de última hora, mas deu certo.  O que ninguém estava esperando foi o período da quarentena, impondo uma convivência muito mais estreita com os membros da “host family”.

Como foi com eles?

João conta que

a familia que eu fiquei era relativamente grande, sendo que na maior parte do ano, viviam pelo menos seis pessoas na casa (eu, o hostdad, a hostmom, e mais três hostbrothers que tinham a minha idade, sendo dois deles internacionais). Por conta disso, a casa era sempre agitada e a familia era bem unida, e por isso, eu raramente me via sem companhia. Ter vários hostbrothers da minha idade foi muito legal já que nós fazíamos várias coisas juntos e eu me dava bem com eles.

Especialmente durante a quarentena, ter amigos da minha idade morando comigo foi ótimo, e me ajudou bastante a não me sentir solitário ou ficar entediado, já que tinhamos a companhia uns dos outros. Por conta disso nós fazíamos várias coisas juntos, como esportes, jogar jogos, e outras coisas do tipo.

Mr.Pope, o “hostdad”com a turma no Minus 5 Ice Bar, em Queenstown.

Outra coisa que eu gostei muito sobre a minha familia é que eles gostam de viajar bastante, e levam os estudantes com eles, o que era bem divertido. Quando o governo abaixou o nivel do lockdown, a familia nos levou a várias daytrips.

João em plena queda de 134m de altura do Nevis Bungy, em Queenstown, o mais alto da Nova Zelândia

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *